Archive for Setembro, 2008

anômalos

* Para a edição pública, deixei dois trechos do El tiempo principia en Xibalbá e o seu significado na Wikipédia. Edite agora aqui!

___________________________________

Notícia. Na quinta-feira agora, dia 25.09, será o último dia do curso Anomalias que o Alan e eu ministramos na Biblioteca Alceu Amoroso Lima, das 20h às 22h, gratuito. Quem sabe vc não pode comparecer?

Neste último encontro, discutiremos as obras do chileno Pedro Lemebel e do guatemalteco Luis de Lión. E também o trabalho das brasileiras Alessandra Cestac e Néle Azevedo e também da guatemalteca Regina Galindo.

Para empolgar, aí vão 2 amostras grátis. Te espero?

Versos iniciais do Manifiesto (Hablo por mi diferencia), Pedro Lemebel

“No soy Pasolini pidiendo explicaciones
No soy Ginsberg expulsado de Cuba

No soy un marica disfrazado de poeta
No necesito disfraz
Aquí está mi cara

Hablo por mi diferencia
Defiendo lo que soy
Y no soy tan raro

Me apesta la injusticia
Y sospecho de esta cueca democrática
Pero no me hable del proletariado
Porque ser pobre y maricón es peor
Hay que ser ácido para soportarlo”

.
2 Fragmentos de El tiempo principia en Xibalbá, Luis de Lión

1.

El viento abría y cerraba las puertas, eran por gusto las trancas, las llaves, los candados; el viento rompía los cercos, despedazaba los techos de paja, se llevaba las hojas de lámina, quebraba las tejas, se metía debajo de las camas, llenaba de tierra todo, se revolcaba entre las ollas, las quebraba, mataba a las gallinas, rasaba la ropa de la gente, mordía la carne y sobaba su lengua áspera y roma hasta más allá del corazón, en el mero fondo de la vida. Acurrucada, amontonada, la gente grande escondía a los patojos…algunos mejor se dejaban caer al suelo para no ser abatidos…

2.

(Juan)_ ¡Pero tratar de violar a la madre de Dios! Claro que era loco.

(Concha)_ Vos no entendés. Como no bajas de tu altar, como no te relacionas con nadie, no ves lo que hay en el corazón de los hombres de este pueblo. Allí no hay amor de hijos sino deseo, purititas ganas de cogerla.

(Juan)_ ¿A la madre de Dios, a nuestra madre santísima? Persináte la boca.

(Concha)_ Es que ella no es nuestra madre. Ella es una mujer ladina cualquiera; pero puesta aquí para darnos carita, una ladina de pueblo, qué se entiende. La prueba está en que vienen de la ciudá y entran a la iglesia y la ven como si nada. Claro, no es la Virgen de su Catedral, no es siquiera una putita de sus cantinas. ..¿Sabés una cosa? Yo me he fijado en eso: en la ciudá los hombres de aquí buscan en las ladinas la cara de la Virgen, aquí buscan en la Virgen la cara de las ladinas.

.

From Wikipedia: In Maya mythology Xibalba (IPA: /ʃɨbɒlbə/), roughly translated as “Place of fear”,[1] is the name of the underworld, ruled by Mayan spirits of disease and death. (…) Xibalba is described in the Popol Vuh as a court below the surface of the Earth. It is unclear if the inhabitants of Xibalba are the souls of the deceased or a separate race of beings worshipping death, but they are often depicted as being human-like in form.

[fontes das fotos: Pedro Lemebel e Luis de Lión + fotos dele no flickr da Renata Ávila]

Anúncios

24, Setembro, 2008 at 9:52 am Deixe um comentário

café descartável*

Naqueles dias já perdidos desde manhã, passeio pelo hábito – o quê mais certamente mais nos ajuda em várias horas a sobreviver (nem irei citar um Beckett sobre o Proust que dei pra um amigo para evitar o excesso E. M. aqui) – e visito o **Jornalistas da Web** de todos os dias e aproveito para conferir a chamadinha ao **Intermezzo** – queria ver algo ali sobre 2.0.

No Intermezzo foi publicada uma **nuvem de tags** , que reproduzo abaixo, sobre as palavras mais procuradas por brasileiros no google. Achei interessante como começa… amor-poemas-poesias-livros – quem iria procurar sundown nessa geladeira? E quem diabos procura por “frases”! Estamos talvez no ramo certo?

E por ramo certo, não estou falando em árvores, vejamos, estarei falando de homens ao mar e yo ho ho e uma garrafa de rum? Também preciso de sundown, minha pele está queimando só de pensar.

Fico pensando até onde isso realmente vai. Esses fluxos. Não acho verdade, sabe? Porque não os consigo sentir. Porque dizem que nesse país as pessoas são alegres e frias. Sigo no dia perdido, mais um copo de café descartável, meus dedos são gelados. Mas são quem escreve. Quem sabe se eu digitasse a palavra eles não se alterariam?

(Além das nuvens: **Google Trends** )

Seriam esses diagramas de fluxos mais uma aplicação do tão consagrado ‘**Teorema de Tostines** ‘? Alguém já digitou uma busca e encontrou um diagrama de fluxo como resultado? Pode acontecer, pode acontecer.

A Nuvem de Tags à brasileira
(gabarito das cores no Intermezzo):

* postagem orignal editada na plataforma piratadeaquario.wikispaces.com pelos usuários hiok, paulo m e pimpo.

23, Setembro, 2008 at 10:28 am 2 comentários

¡Yiiiihaaa!

as alterações em wiki ficam óóótemas!!!! gracias ao paulo m e ao filipe que deram contribuições preciosas!!! ¡yiiiihaaa!

(e me perdoem a cleptomania de expressões, mas isso é amor, vc sabe)

22, Setembro, 2008 at 3:53 pm Deixe um comentário

parasitadas da vida latina*

.po

(Estava esperando um momento de alta para postar sobre isso. Sim, absolutamente um furo de reportagem pro Peixe de Aquário!)

Visitando esquisitamente em plena luz do dia o Bar Exquisito, para ver a exposição de fotos da Guatemala que este restaurante tem em suas paredes (Tikal, Antigua Guatemala, as 4 cores do milho, Parque Central da Guatemala City e Mercado de Chichicastenango +), deparamo-nos com uma cauda muito familiar saindo de fininho do Templo do Gran Jaguar…
Sim! Ele! A grande praga dos locais com turistas munidos de câmeras fotográficas e comidinhas deslumbradas aos animais silvestres! Um QUATI! Ou um pizote, na linguagem local.
Em qualquer maravilha do mundo aí estão esses monstrinhos de fofura delinqüente e nariz buliçoso, a rasgar lixo, pedir comida como poodles amestrados, pequenos vilões latino-americanos. Porque conforme bem roubamos a frase, os amantes latinos depois compensam… e assim essas criaturas meio-ratazana, meio ursinho-de-pelúcia dão em troca de sua fraude uns olhinhos fofos, ai, ai.

Seguem impressionantes testemunhos:

[pintura]
Não colaremos aqui a foto, numa atitude para respeitar os desejos tão proprietários de Manuel Corleto, que diz “Ninguna parte de esta publicación puede ser reproducida, almacenada o transmitida en manera alguna ni por ningún medio, ya sea eléctrico, químico, mecánico, óptico, de grabación o de fotocopia, sin permiso por escrito del autor“, mas imperdível sua pintura sobre o QUATI, digo, PIZOTE: aqui.

[grafite]
Em algum lugar tinha uma pixação a respeito de qualquer coisa importante que não se vê mais, porque passou um grafiteiro e borrou tudo, isto é, vc pensa que a arte vem primeiro mas ela também já está em cima das ruínas de alguma coisa que bem podia ser animal… mas guarda seu encanto, guarda seu encanto.

[colagem]
Na escola a gente não podia colar, mas aqui é a única coisa que salva do completo desaparecimento. Ou vc acha que é fácil falar de animais em extinção quando eles praticamente estão brotando da terra debaixo do seu nariz?

[intertextualidade] Conferir links, inclusive onde faltam. O link é a marca indelével de algo que não está em seu lugar.

[vídeo] Não sei se é este, mas você pode me corrigir.

ouvindo: November Spawned a Monster – Morrissey

*postagem editada no piratadeaquario.wikispaces.com por hiok e pimpo.

22, Setembro, 2008 at 3:45 pm Deixe um comentário

piratemosnóiselves!

Pronto! Substitui a postagem original do dia 17.09.08 pela versão alterada pelos amigos queridos internautas via plataforma wiki & use do pirata de aquário. E vamos continuar assim dançando.

Hehe, tenham medo. Isso já é samba – e não me fique com essa cara de marido: para o seu bem ou tire a pirataria da cabeça ou mereça a época que você tem!

19, Setembro, 2008 at 11:01 am 1 comentário

seguimos com a vida doméstica*

Correntes
: mas como resistir? É de uma fofura incrível, principalmente porque esses dois de anjos não têm nenhuma cara. Dessas coisinhas simples que queria te dizer.

Prosseguimos aqui

: sim, preciso comprar pequenas coisas. Um carregador de pilhas para minha máquina fotográfica, assim faço minhas fotinhas da cidade como antes. Um gorro ou chapéu – sinto-me ridícula com um ou com outro, mas ando com dor de ouvido do vento. O clima é cada vez mais louco. Se o trem hoje na volta não estiver tão cheio, acabarei de ler o Escala 1:1 que o **Daud** me trouxe de Buenos Aires. A idéia do livro de contos ficou boa: cada escritor escreve sobre seu bairro. Eu

escreveria sobre a Vila. Como tantos. É, talvez não teria graça a Vila. Bom mesmo seria contar meus deslocamentos. Rodo tanto por esse centro pequeno que vai do Centro à Cidade Universitária, estende-se até a zona Sul e retorna aos limites da Barra Funda… um quadrilátero da classe-média-e-universitária.

Sobre os contos do Escala 1:1

(na verdade, são pequenas narrativas – contos, contos são outra coisa, me parece e pra não lembrar do **Snoop**, que em mesa de bar é quem leciona que “conto é o que o autor chama de conto”)
: gostei do sobre o Abasto, La Calle de los Maniquíes, do Federico Levin e do sobre o Bajo Flores, Animetal, do Leonardo Oyala.

Ah, sim, e a idéia linda do Oliverio Coelho (Bairro de Boedo )
: um cara pensando em fazer uns drinks com as pedras de gelo de uma chuva de granizo que destruiu a cidade? Começa a achar que seria o Granizo del Apocalipsis... Claro que não vai morrer tomando isso, mas é no que pensa e assim vai… Mas essa idéia, como é boa demais, a gente rouba. Já está anotada.

Imagem: Satélite do googlemap, onde, conforme o 1:1, situa-se o

Boedo Billar Club.

*postagem editada dia 19.09 via http://www.piratadeaquario.wikispaces.com pelos usuários paulom e pimpo.

19, Setembro, 2008 at 10:49 am 1 comentário

em fase de testes | não tem graça se for sozinha

claro.

por isso, se você quiser alterar diretamente a postagem do Pirata de Aquário do dia, dê um pulinho na versão wiki & clique deste blogue!

www.piratadeaquario.wikispaces.com

ahá!


17, Setembro, 2008 at 11:40 am Deixe um comentário

Artigos Mais Antigos


piratarizeyourself!

blogue espelho do peixedeaquario.zip.net | ana rüsche | são paulo. brasil

siga o peixe!

http://twitter.com/anarusche

wiki & use

www.piratadeaquario.wikispaces.com | plataforma wiki pra vc editar como quiser a postagem do dia (sim, pode!). depois eu pego a versão alterada lá e posto aqui. quem fica sozinho é pq tá de castigo.